sexta-feira, 17 de novembro de 2017

Caos versus Eros, na Educação

Não é preciso ser experto para constatar a falência do que chamam sistema educacional brasileiro.
As políticas educacionais têm se mostrado paupérrimas e obsoletas, nem adaptadas aos propósitos neoliberais, muito menos ainda comprometidas com algum projeto de transformação social.
Ao contrário, apesar dos discursos politicamente corretos e de dados estatísticos questionáveis, o que se vê é uma prática sistemática de desvalorização do profissional da educação, que já vem de muitos ontens. A ordem é desmoralizar... iniciando pela filosofia e terminando com o educador.
Mudanças pontuais aqui e ali, aliadas a uma remuneração ridícula e a péssimas condições de trabalho são a receita certa para o desastre. Estamos em rota de colisão com o caos... Assim, não importa que filosofia ou pedagogia seja adotada: todas fracassarão. E todos sabem disso, o que nos leva à questão seguinte: a quem e por que interessa o caos na educação?  
Cada um pode tirar suas próprias conclusões, considerando a necessidade de se manter a imensa massa mergulhada na 'inapetência ética' que caracteriza nossa época. O cidadão de segunda categoria não pode receber uma instrução escolar tão ruim que ele seja incapaz de obedecer a instruções relativamente complexas num ambiente cada vez mais 'tecnológico', nem tão qualificada a ponto de torná-lo um sujeito crítico,  apto a refletir e a exercer plenamente a cidadania. 
Filosoficamente falando, o pano de fundo é uma crise muito mais ampla que costumamos chamar de “crise de paradigma”. Há uma crise visível em todos os âmbitos: na religião, na ética, na política, no sistema financeiro e... na educação, é claro.
O que não é facilmente visível é a sua causa. É aí que entra a filosofia! Enquanto uns se ocupam com o visível, com o diagnóstico de sintomas (papel das ciências), a filosofia vai em busca da causa oculta, da raiz do fenômeno, busca pelos porquês. Se fracassamos na compreensão dos porquês, fracassamos no resto.
Todo bom educador tem que ser um pouco filósofo às vezes. Só assim ele continua vivo como professor, e escapa de tornar-se um funcionário burocrático. A transdisciplinaridade, apontada como solução para a crise, só representa solução quando se liga a uma ampla reforma do pensamento.
A inteligência que só é capaz de ver o mundo fragmentado é míope e, minando as possibilidades de reflexão, torna-se irresponsável, amoral e incapacitada de compreender o contexto em que vivemos hoje.
Mas, quem educará os educadores?
O filósofo francês Edgar Morin defende que “é necessário que se auto-eduquem”. Ninguém vai nos presentear a autonomia da alma, nem tampouco a capacidade de questionar e de mudar nossa própria realidade. Esqueçam!
Ora, o poder está diluído e circula por toda a rede de relações humanas, já alertou M. Foucault. Não está apenas na esfera política ou na esfera econômica. Pelo professor também circula um poder: o poder de educar é formidável, tem potencial para transformar mentes. Querem desacreditar o professor de sua alquimia, de seu poder magnífico.
Quem somos nós, professores?
Qual nosso papel?
Afinal, a quê viemos??
Vamos preferir passar o nosso tempo destilando nosso ódio e mágoa pelo sistema? Temos um projeto de mudança do nosso entorno? O que temos produzido? O que temos oferecido ao mundo?

Educação e Cidadania
O treinamento puramente técnico não é suficiente. O cidadão tem o direito de saber como funciona sua sociedade, a razão do procedimento técnico no qual ele está sendo instruído, de refletir sobre as implicações positivas e negativas da tecnologia, de conhecer seus direitos e deveres, conhecer sua história.
Todos merecemos uma compreensão de nós mesmos enquanto seres políticos, sociais, culturais. Como lembrou Morin, este é um dos papéis da transdisciplinaridade: “formar cidadãos capazes de enfrentar os problemas de seu tempo”.
O educando é um ser que está construindo sua identidade... e isto pressupõe liberdade, autonomia. Por isso, não é possível voltar à escola de 40 anos atrás.
Quem ainda nutre este sonho, precisa acordar logo. Não adianta dizer: ah! No meu tempo a escola era boa... Não era! E também não adianta dizer que melhorou: mentira! Piorou, e muito!
A auto-educação docente é a chave.
É necessário e fundamental que a filosofia volte a dialogar com as ciências particulares e estas, com a filosofia.

Por fim, é indispensável pensar que o educador precisa ser "possuído" por eros: deve transpirar amor à ciência que ensina e amor à pessoa para quem ensina!
O amor ainda é a única forma de escaparmos da armadilha de sempre pensarmos "o outro como mero objeto para atingirmos um fim", ou ainda, apenas como fonte de conflito, como gostava de ressaltar Sartre.

Urge que nos auto-superemos, transcendendo nossa própria condição atual de mera engrenagem de um sistema que mostra todos os sinais de fadiga e corrosão.

Silvio Motta Maximino -
Professor de Filosofia da Educação e Antropologia

Texto publicado no dia 04/01/2009  no caderno JC Cultura, do Jornal da Cidade (Bauru)
(revisado em julho/2011)

quem é o meu inferno?


dica para encontrar a pessoa dos seus sonhos!!


vida e sonho


“A vida é um sonho, então desfrute dela: mas não peça mais porque então você só vai perturbar o sonho e não vai ter nada mais que uma noite perturbada. Seja uma testemunha da mente sonhadora, e então virá a transcendência: então você vai além do sonho e além da própria mente.”
Osho, em “A Cup of Tea”

quando é que você vai ter paz?


Essa sede, essa inquietude, essa insaciabilidade que nos queima. Essa pressa de chegar não se sabe ao certo onde, a saudade que sentimos, mas desconhecemos do que, de quem, de qual tempo? Isso que nos deixa angustiados, esfomeados, distraídos. Cessará. Haverá paz quando percebermos o insano fluxo da cobiça onde nos colocamos. Haverá paz quando reconhecermos que pouca coisa é necessária, que a vida é o presente, que tudo o que precisamos potencialmente já é e mora em nós. Cessará e haverá paz.

quinta-feira, 5 de outubro de 2017

Já ouviu falar em diversidade?



Que é diversidade e para quê serve?


Olá! 
Hoje quero falar com você sobre diferenças culturais!
Podemos facilmente notar que vivemos num mundo muito diversificado.
Há pessoas de costumes e gostos diferentes, cor de pele e de cabelo diferentes, religiões diferentes, línguas e crenças diferentes.
As diferenças dão medo, mas no fundo elas são positivas... elas enriquecem a cultura, mostram a beleza de mil maneiras diferentes, demonstram a profunda inteligência e a empolgante criatividade do próprio ser humano. 
Mas... e se eu resolver pensar que a minha cultura, meus costumes, meus gostos pessoais, minhas crenças... são melhores que as de outras pessoas?
Se pensar que sim, estarei em sério apuro. Sério mesmo! Preciso procurar tratamento!
Lembre que é desse pensamento de superioridade que surgiram e que surgem todos os conflitos, violência, genocídios, etnocídios, a origem de tanto desrespeito.
É desse pensamento patológico que nascem o racismo, o fanatismo, o machismo e as piores doenças sociais que machucam e matam mais que quaisquer desastres naturais.

Então, quer uma dica legal? Não? Mas vou dá-la de presente assim mesmo.

Respeitar a diferença, como você gosta de ser respeitado é a regra de ouro.

Quem não aprende a respeitar, a lei vai ensinar. Se a lei dos homens não ensinar, a vida o fará. E se nem a vida lhe ensinar, então, se prepare... você vai sofrer muito, mas muito mesmo, até aprender... 
Não respeitar as diferenças é crime! crime contra a vida, que é diversidade em si mesma; contra a humanidade, que é diversa pela sua biologia e pela sua sociologia.
A lei protege a diversidade cultural, caso você ainda não saiba. A lei protege as minorias, caso alguém ainda não saiba.
A lei protege a criança, a lei protege a mulher, a lei protege o indígena...
E qualquer um que não for respeitado por causa de sua cultura, de sua opção sexual, religiosa ou cultural, vai caçar muitos problemas prá si mesmo.
Por isso, se você presencia alguém sofrendo alguma violência desse tipo, não se cale.

Porque algumas respostas não estão no Google!


um pouquinho de cada vez... mas todos os dias



Aquiete-se um pouco por dia. Que seja uma porção, um pequeno avanço em cada evento, um passo em cada oportunidade, até que esteja confortável em si mesmo,os ruídos diminuam e as percepções fiquem mais claras. Caminhemos sem ansiedade para que tudo se encaixe como deve ser.

Millôr Fernandes e os pobremas brasileiros